Parceria com o Ministério da Cidadania garante a realização de cinco competições amadoras organizadas pela FES

21 de outubro de 2021

A temporada 2021 está sendo marcada pela volta de competições que não aconteceram no ano anterior em virtude da pandemia da Covid-19. Mas foi preciso muito empenho e contribuição fora de campo para que a bola pudesse voltar a rolar nesses torneios, já que a crise sanitária ainda traz reflexos ao esporte.

Nesse sentido, dois Termos de Fomento, firmados com o Ministério da Cidadania, por intermédio da Secretaria Nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor, foram essenciais. Os acordos possibilitaram o pagamento de despesas com a arbitragem e fornecimento de bolas para cinco competições amadoras realizadas pela Federação de Futebol do Estado do Espírito Santo (FES), graças a destinação de emendas de dois Deputados Federais capixabas.

Com a emenda indicada pela Deputada Federal Norma Ayub no valor de R$ 150 mil, o Termo de Fomento Nº 905.146, garantiu o pagamento de taxas de arbitragem e o fornecimento de bolas em quatro competições amadoras: Estadual Feminino, Interligas, Estadual Sub-15 e Estadual Sub-17. Já o valor de R$ 100 mil oriundo da emenda indicada pelo Deputado Federal Sérgio Vidigal assegurou através do Termo de Fomento Nº 905.147, o pagamento das dessas despesas no Campeonato Estadual Sub-20. Assim, o total captado em emendas pela FES somou a quantia de R$ 250 mil e contribuiu para beneficiar 1800 atletas participantes dessas competições.

“Toda ajuda é bem-vinda. Nesses dois anos, em virtude da pandemia, a situação ficou ainda mais difícil. Então se não fosse essa ajuda, dificilmente teria competição amadora dos clubes com a Federação. Então isso é muito importante e esperamos que continue para os próximos anos”, afirma o presidente da Liga Cariaciquense de Desportos (LICADES), Marcos Sperandio.

O presidente do Vitória FC, Rodolfo do Carmo, lembra também do lado social dessas competições: “Essa ajuda via Federação é importantíssima para os clubes porque a maioria acaba destinando os poucos recursos que têm para o futebol profissional. Então, você poder exonerar essas despesas, incentiva os clubes a ter categorias de base e a participar das competições oficiais, e é uma contrapartida que clubes e Federação dão para a sociedade, que é de incentivar crianças e adolescentes a praticarem esporte, o que reflete na vida dessas pessoas, dando oportunidades”.